quarta-feira, 20 de junho de 2012

Saudades...


Meus amigos e amigas: 
Imaginem-me sentada debaixo de uma frondosa sibipiruna - bela árvore do Cerrado, coberta de delicadas flores amarelas e com bem-te-vis atrevidos, gorgolejando nos galhos, avisando que estão atentos... "bem-te-vi!", "bem-te-vi!" O solo em volta, coberto de flores silvestres amarelas e azuis, formando um tapete singular. Então sinto-me protegida e abraçada pela beleza e tranquilidade da paisagem.
Quanta paz, quanta harmonia, quanta beleza!

Gostaria de ser poetisa e poder rimar em versos simples estes momentos para lembrar-me sempre deles com saudades.
Saudade, palavra forte, que não nos deixa esquecer! Saudade, palavra doce pelo tempo de nossa convivência.
Saudades da amizade e acolhimento de vocês lendo e comentando as experiências da minha vida que compartilhei, dando-me forças para continuar a escrever minhas memórias e a alegria de sentir que gostaram. Espero que elas tenham contribuído de alguma forma para enriquecer suas vidas!
Sinto-me feliz, pois não estou só: estou no coração de vocês e vocês no meu!
Obrigada! Que Jesus os proteja e os abençoe.
Até breve! Eu voltarei quando sentirem saudades... :)

6 comentários:

  1. ...Luzia querida,
    e por acaso não é um poema
    a introdução deste teu post?

    narrastes com mestria de alma
    linda, um momento de paz
    entre tu e a natureza.

    o que mais precisa?

    precisa sim de que não nos
    prive desta tua sensibilidade
    ímpar.

    bjbj

    ResponderExcluir
  2. Fazer poesia é mais do que rimar palavras e frases com outras.
    Isto é para os que gostam das palavras, da língua, da gramática, têm alguma intimidade com elas, e fazem disto uma forma de expressão...

    Mas poetizar é rimar sentimento com palavras e mensagem!

    E és a melhor poetiza que conheço!

    ResponderExcluir
  3. Para a saudade, além do passar do tempo, e de cultivar as lembranças, há um remédio que é a presença!

    Para não sentir e não nos deixar na saudade, continue nos presenteando com seus deliciosos posts, escritos e lembranças!

    Assim, a saudade fica curta, se renova e nem dá tempo para se tornar uma!

    ResponderExcluir
  4. Sabe, SIBIPIRUNA?

    Pois eu fico pensando:
    e se Bi não pirunasse?
    (seja lá o que for que "pirunar" signifique! kkkk)

    e subir no peru... nasce!
    (ai, ai, muito infame! apaga!! hahahaha)

    ResponderExcluir
  5. Querida D. Luzia,

    A senhora se despediu do blog enquanto eu também estava ausente. Estive doente e fiquei por dois longos meses longe de notebooks. Sendo amiga do Andre Martin no Facebook, disse a ele: Estou sentindo falta da D. Luzia! Como ela está? Não estou vendo as chamadas para o blog... Então ele me disse que a senhora havia se retirado para um sabático, digamos assim. Ah, D. Luzia, volte logo! Seus posts são lindos e sábios! Me encanto com eles e gosto muito de ouvi-la! Quem sabe a senhora não encontra um tempinho pra matar a saudade de seus fãs? Talvez o cotidiano a esteja absorvendo tanto que não dá pra sentir saudades de nós, seus leitores. Mas estamos um pouco tristes com sua ausência. A primavera já vai chegar... Quem sabe a senhora não volta com ela?
    Beijos, Dona Luzia!
    Fique com Deus!
    Eliana

    ResponderExcluir
  6. Sua ausência anda fazendo silêncio por aqui, volte!
    Pois a saudade insiste e existe por todos os cantos deste lugar...

    ResponderExcluir